Os Tubarões e Raias da Bahia

Os tubarões e raias são peixes de esqueleto cartilaginosos que provocam um certo fascínio, seja pela injusta má fama de alguns dos indivíduos deste grupo, seja pela presença de alguns em histórias fantásticas, pelo seu tamanho ou pelo seu comportamento, avistar um animal destes durante um mergulho e uma sensação inexplicável.

Por serem animais grandes, predadores de topo de cadeia, que apresentam grande longevidade, maturação sexual tardia, baixa fecundidade, por frequentarem áreas de intensa atividade pesqueira artesanal e comercial, e em alguns casos por serem considerados uma iguaria em diversas culinárias ao redor do planeta estes animais estão entre os animais mais ameaçados do planeta.

No Brasil são conhecidas hoje  180 espécies de elasmobrânquios, das quais 96 representam espécies de tubarões e 84 de raias, das quais 56 espécies de tubarões e 20 espécies de raias possuem registro confirmado para o estado da Bahia.

Um fato curioso sobre a identificação estes animais é que há uma certa confusão com o uso do termo cação para representar tanto algumas espécies de tubarões como raias. Este termo é geralmente atribuído a todo e qualquer tubarão, inclusive há uma explicação popular para o uso do termo onde se utiliza o termo tubarão quando há o risco do animal morder o homem e cação quando se trata do animal a ser comido pelo homem.

Mas além dos tubarões, algumas raias, em especial as da ordem Rhinopristiformes também são popularmente chamadas de cação, como os cações-serra ou cações-espadartes e os cações-viola ou raia-viola devido ao formato do seu corpo.  E no caso da venda do filé, nos mercados, o que é chamado de cação nas embalagens podem incluir tanto diversas espécies de tubarões, como as raias que também são popularmente conhecidas como cações, como o filé de outras raias típicas, uma vez que o valor de mercado da carne de raia (ou arraia) pode em muitos casos ser menor que o valor da carne de cação.

 

Esta página tem como objetivo agrupara para melhor serem acessadas todas as publicações da EcoBioGeo que tratem destes organismos.

Postagens sobre as espécies

  • A Treme-treme [LINK]
  • A Raia-de-olhos-grandes [LINK]
  • A Raia-viola [LINK]
  • A Raia-manta-aba-de-foice [LINK]
  • A Raia-lixo [LINK]

Sobre os elasmobrânquios em geral

  • Tubarões e Raias com registro na costa Soteropolitana e Baía de Todos os Santos [LINK]

Cação é tubarão

  • Quem é o Cação no mercado? [LINK]

 


ESPÉCIES DE TUBARÕES E RAIAS COM OCORRÊNCIA NO ESTADO DA BAHIA

  • Tubarões
    • Ordem: Hexanchiformes
      • Família: Hexanchidae
        • Tubarão-de-sete-guelras (Heptranchias perlo)
    • Ordem: Squaliformes
      • Família: Squalidae
        • Cação-bagre (Cirrhigaleus asper)
        • Cação-espinhoso (Squalus cubensis)
        • Cação-bagre-de-focinho-curto (Squalus megalops)
        • Cação-bagre-de-espinho-curto (Squalus mitsukurii)
      • Família: Centrophoridae
        • Cação-barroso (Centrophorus granulosus)
      • Família: Etmopteridae
        • Tubarão-lanterna-azul (Etmopterus bigelowi)
        • Tubarão-lanterna-de-listra (Etmopterus gracilispinis)
        • Tubarão-vagalume (Etmopterus pusillus)
      • Família: Somniosidae
        • Carocho (Centroscymnus coleolepis)
        • Tubarão-negro (Centroscymnus cryptacanthus)
        • Tubarão-sonolento-do-Pacífico (Somniosus pacificus)
      • Família: Dalatidae
        • Tubarão-charuto (Isistius brasiliensis)
        • Tubarão-piolho-dentuço (Isistius plutodus)
        • Tubarão-anão (Squaliolus laticaudus)
    • Ordem: Squatiniformes
      • Família: Squatinidae
        • Cação-anjo (Squatina varii)
    • Ordem: Orectolobiformes
      • Família: Ginglymostomatidae
        • Tubarão-lixa (Ginglymostoma cirratum)
      • Família: Rhincodontidae
        • Tubarão-baleia (Rhincodon typus)
    • Ordem: Lamniformes
      • Família: Odontaspidae
        • Mangona-preta (Odontaspis noronhai)
      • Família: Pseudocarchariidae
        • Tubarão-crocodilo (Pseudocarcharias kamoharai)
      • Família: Megachasmidae
        • Tubarão-megaboca (Megachasma pelagios)
      • Família: Alopiidae
        • Tubarão-raposa-olhudo (Alopias superciliosus)
        • Tubarão-raposa (Alopias vulpinus)
      • Família: Lamnidae
        • Grande-tubarão-branco (Carcharodon carcharias)
        • Mako (Isurus oxyrinchus)
        • Anekim (Isurus paucus)
    • Ordem: Carcharhiniformes
      • Família: Scyliorhinidae
        • Cação-espátula (Apistrurus parvipinnis)
        • Cação-pintado (Scyliorhinus haeckelii)
        • Tubarão-gato (Scyliorhinus ugoi)
      • Família: Triakidae
        • Canejo (Mustelus canis)
        • Cação-Sebastião (Mustelus higmani)
        • Cação-boca-de-velha (Mustelus norrisi)
      • Família: Carcharhinidae
        • Tubarão-flamengo (Carcharhinus acronotus)
        • Cação-baía (Carcharhinus altimus)
        • Cação-galha-preta (Carcharhinus brevipinna)
        • Tubarão-lombo-preto (Carcharhinus falciformis)
        • Tubarão-cabeça-chata (Carcharhinus leucas)
        • Tubarão-galha-preta (Carcharhinus limbatus)
        • Tubarão-galha-branca-oceânico (Carcharhinus longimanus)
        • Tubarão-fidalgo (Carcharhinus obscurus)
        • Tubarão-caribenho-de-recife (Carcharhinus perezi)
        • Tubarão-baiacu (Carcharhinus plumbeus)
        • Tubarão-azeiteiro (Carcharhinus porosus)
        • Tubarão-tuninha (Carcharhinus signatus)
        • Tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier)
        • Tubarão-quati (Isogomphodon oxyrhynchus) *
        • Tubarão-limão (Negaprion brevirostris)
        • Tubarão-azul (Prionace glauca)
        • Cação-frango-brasileiro (Rhizoprionodon lalandei)
        • Cação-frango (Rhizoprionodon porosus)
      • Família: Sphyrnidae
        • Tubarão-martelo-entalhado (Sphyrna lewini)
        • Tubarão-martelo (Sphyrna media)
        • Tubarão-martelo-grande (Sphyrna mokarran)
        • Tubarão-martelo-cabeça-de-pá (Sphyrna tiburo)
        • Tubarão-martelo-de-olho-pequeno (Sphyrna tudes)
        • Tubarão-martelo-liso (Sphyrna zygaena)
  • Raias
    • Ordem: Rhinopristiformes
      • Família: Pristidae
        • Cação-espadarte-de-serra-pequena (Pristis pectinata) **
        • Cação-espadarte (Pristis perotteti) **
        • Cação-espadarte-da-serra-grande (Pristis pristis) **
      • Família: Rhinobatidae
        • Raia-viola-brasileira (Pseudobatos horkelii)
        • Raia-viola-chola (Pseudobatos percellens)
    • Ordem: Torpediniformes
      • Família: Narcinidae
        • Treme-treme (Narcine brasiliensis)
    • Ordem: Rajiformes
      • Família: Anacanthobatidae / Crurirajidae
        • Raia-rugosa (Cruriraja rugosa)
      • Família: Rajidae
        • Raia-de-ventre-púrpura (Rajella purpuriventris)
    • Ordem: Myliobatiformes
      • Família: Aetobatidae
        • Raia-xita (Aetobatus narinari)
      • Família: Dasyatidae
        • Raia-de-olho-grande (Hypanus marianae)
        • Raia-lixo (Hypanus guttatus)
        • Raia-prego (Hypanus americanus)
        • Raia-de-fundo (Pteroplatytrygon violacea)
      • Família: Gymnuridae
        • Raia-borboleta-de-espinho (Gymnura altavela)
        • Raia-borboleta-macia (Gymnura micrura)
      • Família: Mobulidae
        • Raia-manta-gigante (Mobula birostris)
        • Raia-manta-boca-de-gaveta (Mobula japonica)
        • Raia-manta-aba-de-foice (Mobula tarapacana)
      • Família: Rhinopteridae
        • Raia-beiço-de-boi (Rhinoptera brasiliensis)
        • Raia-morcego (Rhinoptera bonasus)

* Acredita-se que se trate de um registro equivocado

** Espécie de ocorrência histórica, porém supostamente extinta no litoral do estado.

 


FONTES

Abilhoa, V.; Bornatowski, H.; Freitas, M.O. 2007. Some information on reproduction and embryonic development of the lesser guitarfish Zapteryx brevirostris in southern Brazil. Acta Adriatica, 48(2):185-190.

Abrunhosa, F.E.; Corona, L.; Bertoncini, A.; Neves, l. 2016. Novo registro de Alopias vulpinus no estado do Rio de Janeiro. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 28

Aguiar, A.A.; Valentin, J.L. 2010. Biologia e ecologia alimentar de elasmobrânquios (Chondrichthyes: Elasmobranchii): Uma revisão dos métodos e do estado da arte no Brasil. Oecologia Australis, 14(2):464-489.

Almeida, Z; Fortes, R. (Orgs.). 2006. Elasmobrânquios da costa Maranhense: História Evolutiva, Biologia e Pesca. Grupo de Estudos de Elasmobrânquios do Maranhão, 85pp.

Amado-Gama, A. 1991. Estudo sobre o hábito alimentar de duas espécies de cação Rhizoprionodo lalandii (Valencienes, 1839) e Rhizoprionodon porosus (Poey, 1961) (Euselachii, Carcharhinidae), comentários sobre a biologia reprodutiva das fêmeas de R.lalandii e R.porosus e descrição da pesca na baía de Todos os Santos (BA) e áreas adjacentes. Monografia, UFBA.

Barbosa-Filho, M.L.V.; Schiavetti, A.; Alarcon, D.T.; Costa-Neto, E.M. 2014. “Shark is the man!”: ethnoknowledge of Brazil´s south Bahia fisherman regarding shark behaviors. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 10(54):1-14.

Barbosa Filho, M.L.V.; Costa Neto, E.M.; Schiavetti, A. 2014. “Mar sem cação num é mar!”: Etnoictiologia de pescadores artesanais acerca dos tubarões (Chondrichthyes: Elasmobranchii) no sul da Bahia, Brasil. Anais da VIII Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Recife, p.87.

Barbosa Filho, M.L.V.; Costa Neto, E.M.; Schiavetti, A. 2014. “Descrição etnográfica da “espera”: arte de pesca direcionada à captura de cações (Chondrichthyes: Elasmobranchii) por pescadores artesanais do sul da Bahia, Brasil. Anais da VIII Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Recife, p.91.

Barbosa Filho, M.L.V.; Costa Neto, E.M.; Schiavetti, A. 2014. O comércio de nadadeiras de cações (Chondrichthyes: Elasmobranchii) por pescadores artesanais do sul da Bahia, Brasil. Anais da VIII Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Recife, p.94.

Barnett, A.; Braccini, J.M.; Awruch, C.A.; Ebert, D.A. 2012. An overview on the role of Hexanchiformes in marine ecosystems: biology, ecology and conservation status of a primitive order of modern sharks. Journal of Fish Biology, 80:966–990.

Batista, V.D. 1987. Desenvolvimento sexual de Zapteryx brevirostris (Muller & Henle, 1841), no litoral do Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Biologia, 47(3):301-307.

Bertoncini, A.A.; Sampaio, C.L.S. 2002. Novos registros do tubarã0-baleia, Rhincodon typus Smith, 1829 no litoral da Bahia, Nordeste do Brasil. Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, João Pessoa, p.22-23.

Bezerra, N.P.A.; Macena, B.C.L.; Mendonça, S.A.; Bonfil, R.; Hazin, F. 2016. Primeiro registro do tubarão-martelo-liso (Sphyrna zyganena) no Arquipélago de São Pedro e São Paulo. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 24

Borba Junior, A.G.A.; Sampaio, C.L.S. 2016. Observações in situ de Chondrichthyes em ágaus profundas no Norte-Nordeste do Brtasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 26

Bornatowski, H.A. 2008. Parturition and nursery area for Carcharhinus limbatus (Elasmobranchii, Carcharhinidae) off the coast of Paraná, Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, 56(4):317-319.

Bornatowski, H.A. 2014. Importância ecológica dos tubarões e raias em uma rede trófica na costa sul do Brasil. Tese, UFPR, 116pp.

Bornatowski, H.A.; Abilhoa, V.; Freitas, M.O. 2005. Alimentação da raia-viola Zapteryx brevirostris na baía de Ubatuba-Enseada, São Francisco do Sul, Santa Catarina, Brasil. Estud. Biol., 27(61):31-36.

Branco-Nunes, I.S.L.; Albuquerque, F.V.; Nunes, D.M.; Oliveira, P.G.V.; Hazin, F.H.V. 2016. First record of predation between Dasyatis species. Journal of Fish Biology, 89:2178-2181.

Caltabellotta, F.P. 2014. Dinamica populacional das raias-violas, Rhinobatos horkelli, Rhinobatos percellens e Zapteryx brevirostris (Chondrichthyes, Rhinobatidae) da Plataforma Continental de São Paulo. Tese de Doutorado, UNESP, 101pp.

Carmo, W.P.D. 2015. Caracterização da reprodução, idade e crescimento e acúmulo de metais em Zapteryx brevirostris (Elasmobranchii: Rhinobatidae), uma espécie endêmica do Atlântico Sul. Tese de Doutorado, UFPR, 119pp.

Carmo, W.P.D.; Favaro, L.F.; Coelho, R. 2018. Age and growth of Zapteryx brevirostris (Elasmobranchii: Rhinobatidae) in southern Brazil. Neotropical Ichthyology, 16(1):e170005:1-12.

Carvalho, A.P.C.; Rangel, B.S.; Amorim, A.F. 2020. Insights into the reproductive biology of sharpnose sevengill shark (Heptranchias perlo) in the western south Atlantic. In.: Silva, E. (Org.). Tópicos Mutidisciplinares em Ciências Biológicas 2, Capitulo 6., Atena Editora, Ponta Grossa, p.45-60.

Castro, J.I. 1996. Biology of the blacktip shark, Carcharhinus limbatus, off the southeastern United States. Bulletin of Marine Science, 59:508–522

Castro, A.L.; Rosa, R.S. 2000. Estrutura e tamanho da população do tubarão-lixa, “Ginglymostoma cirratum“, na Reserva Biológica do Atol das Rocas. Anais da II Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, V II, Santos

Castro, J.I. 2000, The biology of the nurse shark, Ginglymostoma cirratum, off the Florida east coast and the Bahama Islands. Environmental Biology of Fishes,58:1–22.

Castro, J.I. 2011. Resurrection of the name Carcharhinus cerdale, a species different from Carcharhinus porosus. aqua, International Journal of Ichthyology, 17(1):1-10.

Cedrola, P.V.; Caille, G.M.; Chiaramonte, G.E.; Pettovello, A.D. 2009. Demographic structure of broadnose seven-gill Shark, Notorynchus cepedianus, caught by anglers in Southern Patagonia, Argentina. Marine Biodiversity Records, 2(e138):1-4

CEPSUL. 2016. Avaliação do risco de extinção dos elasmobrânquios e quimeras no Brasil: 2010-2012. ICMBio, 67pp.

Compagno, L.J.V. 1984. Sharks of the world : An annotated and illustrated catalogue of shark species known to date. Part 1 – Hexanchiformes to Lamniformes. FAO Species Catalogue, Vol. 4., FAO, Roma, 125(4/1):1-249.

Compagno, L.J.V.; Dando, M.; Fowler, S. 2005. Sharks of the World. Princeton Field Guides. Princeton University Press, New Jersey, 368pp.

Costa, T.L.A.; Alencar, C.E.R.D.; Mendes, L.F. 2016. Identificação de grupos morfométricos regionais de Dasyatis marianae. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, ènedo, p. 36.

Costa T.L.A.; Pennino, M.G.; Mendes, L.F. 2017. Identifying ecological barriers in marine environment: The case study of Dasyatis marianae. Marine Environmental Research, 125:1-9.

Costa, T.L.A.; Thayer, J.A.; Mendes, L.F. 2015. Population characteristics, habitat and diet of a recently discovered stingray Hypanus marianae: implications for conservation. Journal of Fish Biology, 86:527–543.

D´Ambrosio-Ferrari, L.; Kotas, J.E.; Spach, H.L. 2018. Captures of the night shark Carcharhinus signatus by surface longliners along the southern Brazilian coast. Ciencia Pesquera, 26(1):45-67.

Dias, J.F.; Gonçalves, A.M.; Fernandez, W.S.; Silbiger, H.L.; Fiadi, C.B.; Schmidt, T.C.S. 2011. Ichthyofauna in the Mataripe area, Todos os Santos Bay, Bahia, Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, 59(1):75-95.

Feitosa, L.M.; Martins, A.P.B.; Nunes, J.L.S. 2017. Sawfish (pristidae) records along the Eastern Amazon coast. Endangered Species Research, 34:229-234.

Fuzeti, T.S.; Guerrato, N.R.; Rolim, F.A.; Pasquino, A.F.; Gadig, O.B.F. 2016. Variações sexuais e ontogênicas na morfologia externa da raia emplastro Gurgesiella dorsalifera (Chondrichthyes: Rajidae). Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 31

Gadig, O.B.F. 2001. Tubarões da Costa Brasileira. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, 361pp.

Gadig, O.B.F.; Sampaio, C.L. 2000. Presença das raias “Mobula japanica” no Atlântico Ocidental e “Mobula tarapacana” no Brasil (Chondrichthyes, Mobulidae). Anais da II Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, V II, Santos

Gadig, O.B.F.; Sampaio, C.L.S. 2002. Presença do Gênero Apristurus (Chondrichthyes, Scyliorhinidae) no Brasil. Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, João Pessoa, p.29.

Gadig, O.B.F.; Sampaio, C.L.S. 2002. Ocorrência de Somniosus pacificus na costa central do Brasil (Squaliformes, Somniosidae). Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, João Pessoa, p.30.

Ganme, G. 2018. Sobre Homens e Tubarões. Editora Labrador, 203pp.

Galindo, T.P.S.; Queiroz, E.L. 2002. Relatos de ataques de tubarões no litoral baiano- período de 1978-2001. Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, João Pessoa, p.30-31.

Garla, R.C.; Gadig, O.B.F.; Garcia Junior, J.; Veras, L.B.; Garrone-Neto, D. 2017. Hunting tactics of the lemon shark, Negaprion brevirostris, in shallow waters of an oceanic insular area in the western equatorial Atlantic. Neotropical Ichthyology, 15(1):e160119:1-8.

Gianeti, M.D. 2011. Reprodução, alimentação, idade e crescimento de Dasyatis guttata (Bloch & Schneider, 1801) (Elasmobranchii; Dasyatidae) na região de Caiçara do Norte – RN. Tese de Doutorado, Instituto Oceanográfico (IO), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

Gianeti, M.D.; Santana, F.M.; Yokota, L.; Vasconcelos, J.E.; Dias, J.F.; Lessa, R.P. 2018. Age structure and multi-model growth estimation of longnose stingray Hypanus guttatus (Dasyatidae: Myliobatoidei) from north-east Brazil. Journal of Fish Biology, 34pp.

Giglio, V.J.; Kuiz, O.J.; Gerhardinger, L.C. 2015. Depletion of marine megafauna and shifting baselines among artisanal fishers in eastern Brazil. Animal Conservation, 18:348−358.

Gomes, U.L.; Rosa, R.S.; Gadig, O.B.F. 2000. Dasyatis macrophthalma sp. n.: A new species of stingray (Chondrichthyes: Dasyatidae) from the Southwestern Atlantic. Copeia, 2:510–515.

Gomes, U.L.; Signori, C.N.; Gadig, O.B.F.; Santos, H.R.S. 2010. Guia para identificação de tubarões e raias do Rio de Janeiro. Technical Books Editora, 235pp.

Gonzalez, M.M.B. 2004. Nascimento da raia-viola, Zapteryx brevirostris (Muller & Henle) (Chondrichthyes, Rhinobartidae), em cativeiro. Revista Brasileira de Zoologia, 21(4):785-788.

Hacohen-Domené, A.; Polanco-Vásquez, F.; Graham, R.T. 2017. First record of Heptranchias perlo (Bonnaterre, 1788) in Guatemala´s Caribbean Sea. Marine Biodiversity Records, 10(12):1-5.

Harrison, L.R.; Dulvy, N.K. 2014. Sawfish: A global strategy for conservation. IUCN, 116p.

Hazin, F.H.V.; Wanderley Junior, J.A.M.; Mattos, S.M.G. 2000. Distribuição e abundância relativa de tubarões no litoral do estado de Pernambuco, Brasil. Arquivo de Ciências do Mar, 33:33-42.

Ivanof, R.; Rufener, M.C.; Pennino, M.G.; Kinas, P.G.; Vooren, C.M.  2016. Modelos espaciais Bayesianos para diversidade de elasmobrânquios do extremo sul do Brasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 27

Kotas, J.E. 2004. Dinâmica de populações e pesca do tubarão-martelo Sphyrna lewini (Griffith & Smith, 1834), capturado no mar territorial e Zona Econômica Exclusiva do sufeste-sul do Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo (USP), São Carlos, 419pp.

Last, P.R.; White, W.T.; Carvalho, M.R.; Séret, B.; Stehmann, M.F.W.; naylor, G.J.P. (Eds.). 2016. Rays od the World. CSIRO publishing, 801pp.

Leduc, A.O.H.C.; Reis-Filho, J.A.; Freitas, R.H.A.; Loiola, M.; Leite, L.; Soeiro, G.; Oliveira, H.H.Q.; Sampaio, C.L.S.; Nunes, J.A.C.C. 2016. Local ecological knowledge on the disappearance of Pristis pristis from the central coast of Brazil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Penedo, p.133.

Lessa, R.P.; Santana, F.M.; Rincón, G.F.; Gadig, O.B.F.; El-Deyr, A.C. 1999. Biodiversidade de elasmobrânquios do Brasil. Programa Nacional da Diversidade Biológica (PRONABIO), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Recife, 155pp.

Lopes, P.R.D.; Oliveira-Silva, J.T.; Ferreira-Melo, A.S.A. 1998. Contribuição ao conhecimento da ictiofauna do manguezal de Cacha Pregos, ilha de Itaparica, Baía de Todos os Santos, Bahia. Brazilian Journal of zoology, 15(2):315-325.

Macena, B.C.L.; Hazin, F.H.V. 2016. Whale Shark (Rhincodon typus) seasonal occurrence, abundance and demographic structure in the mid-equatorial Atlantic ocean. Plos One, 0164440:1-24.

Marion, C. 2015. Função da Baía de Todos os Santos, Bahia, no ciclo de vida da Arraia-branca, Dasyatis guttata (Elasmobranchii: Dasyatidae). Tese de Doutorado, Instituto Oceanográfico (IO), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 181pp.

Marion, C.; Olavo, G.; Soares, L.S.H. 2014. The first record of Pteroplatytrygon violacea (Bonaparte, 1832) (Elasmobranchii: Dasyatidae) in the shallow waters of Todos os Santos Bay, northeastern Brazil. Panamerican Journal of Aquatic Science, 9(2):126-130.

Menni, R.C.; Lessa, R.P. 1998. The chondrichthyan community off Maranhão (northern Brazil). II. Biology of Species. Acta Zoologica Lilloana, 44:69-89.

Motta, F.S.; Gadig, O.B.F.; Namora, R.C.; Braga, F.M.S. 2005. Size and sex composition, length-wight relationship, and occurrence of the Brazilian sharpnose shark, Rhizoprionodon lalandii, caught by artisanal fishery from southeastern Brazil. Fiseries Research, 74:116-126.

Motta, F.S.; Moura, R.L.; Francini-Filho, R.B.; Namora, R.C. 2009. Notas sobre a biologia reprodutiva e alimentar de elasmobrânquios no Parque Estadual Marinho Parcel Manoel Luís, Maranhão – Brasil. Pan American Journal of Aquatic Sciences, 4(4):593-598.

Nunes, A.R.O.P.; Rincon, G.; Rosa, R.S.; Nunes, J.L.S. 2019. Reproductive Biology of the stingray Hypanus marianae, an endemic species from Southwestern Tropical Atlantic Ocean. Revista Nordestina de Zoologia, 27(1):59-83.

Nunes, J.L.S.; Piorski, N.M. (Orgs.). 2011. Peixes Marinhos e Estuarinos do Maranhão. Café & Lápis, Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA), São Luís, 225pp.

Oliveira, C.D.L.; Oliveira, C.Y.B.; Camilo, J.P.G.; Batista, V.S. 2021. Demographic analysis reveals a population decline of the Longnose stingray Hypanus guttatus in Northeastern Brazil. Regional Studies in Marine Science, 41(101554):8pp.

Oliveira-Silva, J.T.; Lopes, P.R.D. 2016. Chondrichthyes da divisão de peixes (Museu de zoologia), Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Penedo, p.28.

Paiva, M.I.; Marcovaldi, G.; Rostan, G.; Almeida, F.; Soeiro, G.; Pires, T. 2016. Sucesso reprodutivo do tubarão-pintado Scyliorhinus sp. (Chondrichthyes: Scyliorhinidae) em cativeiro, Projeto TAMAR, Bahia, Brasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Penedo, p.61.

Paiva, M.; Marcovaldi, G.; Rostan, G.; Rodamilans G.; Pires, T.; Carvalho-Filho, A. 2016. Reprodução em cativeiro de Ginglymostoma cirratum (Bonnaterre, 1788), Projeto TAMAR, Bahia. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Penedo, p.62.

Palmeira, A.R.O.; Rosa, R.S. 2016. Registro de Dasyatis say (Chondrichthyes: Dasyatidae) na costa norte confirma a ocorrência da espécie no Brasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquio, Penedo, p. 30

Paul, L.; Fowler, S. 2003. Heptranchias perlo, Sharpnose Sevengill Shark. The IUCN Red List of Threatened Species, eT41823A10572878, 9pp.

Petean, F.F. 2020. Evolução e biogeografia do gênero de raias marinhas Hypanus Rafinesque, 1818 (Myliobatiformes, Dasyatidae). Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Sistemática e Evolução, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, 143pp.

Queiroz, A.P.N.; Araújo, M.L.G.; Lessa, R.P.T. 2019. Dietary composition and trophic level of Hypanus marianae (Myliobatiformes: Dasyatidae), captured off Pernambuco coast, Brazil. Latin American Journal of Aquatic Research, 47(5):808-817.

Queiroz, E.L.; Rocha, C.M.P. 2002. Ataque de tubarão a um adolescente em Nova Viçosa – Extremo sul do estado da Bahia (17º 54′ 20.6″ S e 39º 21′ 55.9″ W). Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, João Pessoa, p.51.

Queiroz, E.L.; Souza Filho, J.J.; Simões, F.M. 1993. Estudos da alimentação de Dasyatis guttata (Bloch e Schneider, 1801) na área de influência da Estação Ecológica Ilha do Medo, Bahia, Brasil. Anais da VI Reunião do Grupo de Trabalho Sobre a Pesca e Pesquisa de Tubarões e Raias do Brasil, recife, p.28.

Queiroz, E.L.; Rebouças, S.C. 1995. Tubarão quem tu és? Grupo de Estudos de Cetáceos – BA (GECET), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Fundo de Apoio à Pesquisa e Extensão (FAPEX), Salvador, 97pp.

Reis-Filho, J.A.; Freitas, R.H.A.; Loiola, M.; Leite, L.; Soeiro, G.; Oliveira, H.H.Q.; Sampaio, C.L.S.; Nunes, J.A.C.C.; Leduc, A.O.H.C. 2016. Traditional fisher perceptions on the regional disappearance of the lagertooth sawfish Pristis prists from the central coast of Brazil. Endangered Species Research, 29:189-200.

Reis-Filho, J.A.; Sampaio, C.L.S.; Leite, L.; Oliveira, G.S.A.; Loiola, M; Nunes, J.A.C.C. 2014. Rediscovery of bonnethead shark Sphyrna tiburo (Linnaeus, 1758) after more than two decades of non-record in central coast of Brazil. Marine Biodiversity Records, 7:1−7.

Rosa, R., Furtado, M., 2016. Hypanus guttatus. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T44592A104125099.

Rosa, R.S.; Gadig, O.B.F. 2014. Conhecimento da diversidade dos Chondrichthyes marinhos no Brasil: a contribuição de José Lima de Figueiredo. Arquivos de Zoologia, 45:89-104.

Sampaio, C.L.S.; Gadig, O.B.F.; Olavo, G. 2000. Levantamento das espécies de peixes cartilaginosos no litoral da Bahia, nordeste do Brasil. Anais da II Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, V II, Santos, p.59.

Sampaio, C.L.S.; Guerreiro, W.; Olavo, G. 2000. Primeira ocorrência de “Isurus paucus” Guitart-Manday, 1966 (Lamnidae) no litoral baiano, com revisão dos registros para o Brasil e notas sobre a sua alimentação em águas brasileiras. Anais da II Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, V II, Santos

Sampaio, C.L.S.; Nunes, J.A.C.C. 2004. Elasmobrânquios capturados com fins ornamentais em Salvador, Bahia, Brasil. Anais da IV Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Recife, p.167.

Sampaio, C.L.S.; Rosa, I.L.; Barros, A.T. 2002. Tubarões e raias capturados para fins ornamentais em Salvador, Bahia – Brasil. Anais da III Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, João Pessoa, p.86-87.

Sampaio, C.L.S.; Santos, D.F; Brandão, F.A.B.; Lima Junior, M.J.C.A.; silva, M.D.F. 2016. Tubarões e arraia (Elasmobranchii) do litoral alagoano, nordeste do Brasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p.23

Santana, F.M.; Lessa, R.; Gadig, O.B.F.; Rincón, G. 2000. Elasmobrânquios Oceânicos do Brasil. Anais da II Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, V II, Santos.

Santander-Neto, J.; Moreira, J.V.C.O.; Basilio, T.O.; Toscano, M.N. 2016. Levantamento preliminar da fauna de Elasmobrânquios do Espírito Santo, Brasil. Anais da IX Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo de Elasmobrânquios, Penedo, p. 25

Santander-Neto, J.; Queiroz, B.J.; Nascimento, F.C.P.; Basílio, T.H.; Medeiros, R.S.; Furtado-Neto, M.A.A.; Faria, V.V. 2007. On the occurence of sevengill and sixgill sharks (Hexanchiformes: Hexanchidae) off Ceará State, Brazil, Western Equatorial Atlantic. Arquivos de Ciências do Mar, 40:59–63.

Santos, H.R.S.; Gomes, U.L.; Gadig, O.B.F. 2006. The variation of colour pattern of the brazilian big-eyed stingray Hypanus marianae Gomes, Rosa & Gadig, 2000. (Myliobatiformes, Dasyatidae). Boletim do Museu Nacional, 522:1-5.

Shibuya, A.; Rosa, R.S. 2011. Diet composition of Hypanus marianae (Elasmobranchii:Dasyatidae) of Paraíba state, Brazil. Arquivos de Ciências do Mar, 44(2):89–92.

Silva, V.E.L.; Teixeira, E.C.; Fabré, N.N.; Batista, V.S. 2018. Reproductive biology of the longnose stingray Hypanus guttatus (Bloch & Schneider, 1801) from the northeastern coast of Brazil. Cahiers de Biologie Marine, 59:467-472.

Simões, F.M.; Queiroz, E.L. 1995. O estudo dos hábitos alimentares de Dasyatis americana Hildebrand e Schroeder, 1928, na área de influência da Estação Ecológica Ilha do Medo e águas adjacentes, Bahia, Brasil. Anais da Reunião do Grupo de Trabalho Sobre a Pesca e Pesquisa de Tubarões e Raias do Brasil, Rio Grande, p.64.

Soares, K.D.A.; Carvalho, M.R.; Schwingel, P.R.; Gadig, O.B.F. 2019. A New Species of Parmaturus (Chodrichthyes: Carcharhiniformes: Scyliorhinidae) from Brazil, Southwestern Atlantic. Copeia, 107(2):314-322.

Soares, K.D.A.; Gadig, O.B.F.; Gomes, U.L. 2015. Scyliorhinus ugoi, a new species of catshark from Brazil (Chondrichthyes: Carcharhiniformes: Scyliorhinidae). Zootaxa, 3937(2):347-361.

Soeiro, G.; Nunes, J.A.C.C.; Reis-Filho, J.A.; Medeiros, D.V.; Sampaio, C.L.S. 2014. Encalhe do tubarão-baleia Rhincodon typus (Rhincodontidae), no litoral baiano, com notas sobre sua alimentação. Anais da VIII Reunião da Sociedade Brasileira para o Estudo dos Elasmobrânquios, Recife, p.67.

Soto, J.M.R. 1999. Sobre a presença de tubarões hexanquídeos (Chondrichthyes, Hexanchiformes) no sudoeste do Atlântico. Acta Biologica Leopoldensia, 21(2)241-25.

Soto, J.M.R. 2001. Annotated Systematic Checklist and Bibliography of the coastal and oceanic fauna of Brazil. I. Sharks. Mare Magnum, 1(1):51-120.

Vooren, C.M.; Klipper, S. (Eds.). 2005. Ações para a conservação de tubarões e raias no sul do Brasil. Editora Igaré, Porto Alégre.

Wahba, L. 2007. Dez anos em busca dos grandes tubarões. Nobel Editora, São Paulo, 158pp.

Yokota, L.; Lessa, R.P. 2007. Reproductive biology of three ray species: Gymnura micrura (Bloch & Schneider, 1801), Dasyatis guttata (Bloch & Schneider, 1801) and Dasyatis marianae Gomes, Rosa & Gadig,  2000, caught by artisanal fisheries in Northeastern Brazil. Cahiers de Biologie Marine, 48:249-257.

 

About EcoBioGeo and Rodrigo Maia-Nogueira