A Percepção do Mergulhador Recreativo sobre o Ambiente Marinho

Os mergulhadores recreativos são considerados por muitos dos maiores pesquisadores e divulgadores das ciências marinhas os embaixadores dos oceanos, termo cunhado pelo Jean Michel Cousteau, mergulhador a mais de 70 anos e filho do polêmico e visionário capitão Jacques Yves Cousteau. Jean Michel, seguindo o legado do seu pai é hoje um dos mais importantes divulgadores dos oceanos.

A atividade de mergulho recreativo necessariamente promove uma imersão do mergulhador em meio à natureza provocando o fascínio e o amor de quem pratica esta atividade pelos oceanos e o amor é um sentimento que por sua vez promove o carinho, a atenção, o cuidado. As pessoas querem proteger aquilo que amam.

Mas apenas amar não basta, muitas vezes o querer proteger os oceanos sem saber de fato como fazer para que de fato as atitudes sejam positivas pode trazer resultados contrários inclusive, por isso é muito importante que as ciências marinhas e os mergulhadores sejam parceiros, se comuniquem, se compreendam, sejam parceiras.

Na conservação do ambiente marinho submerso a ciência precisa dos mergulhadores recreativos pois ninguém mais do que eles passam tanto tempo imersos nesses ambientes e portanto tem lugar de fala para divulgar suas maravilhas, divulgar que estas maravilhas estão sob sérios riscos e também o que precisa ser feito para que estes riscos sejam mitigados ou mesmo extintos, porém para que estas divulgações sejam coerentes, os mergulhadores recreativos precisam do apoio da ciência, da informação científica.

Pensando nisso a EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico vem elaborando e divulgando textos com informações claras e coerentes, com base nas mais recentes normas e procedimentos de mergulho e especialmente com base nas mais recentes publicações científicas sobre o ambiente marinho, e pensando em fornecer mais subsídios a quem pretende promover a divulgação científica para este seleto e importante público, os mergulhadores recreativos, resolvemos fazer uma pesquisa para avaliar, através da análise da percepção ambiental como o mergulhador recreativo percebe, sente, vivencia o ambiente marinho.

A pesquisa se dará através da disponibilização de um formulário online com questões que primeiro nos permitem identificar o perfil do mergulhador recreativo (gênero, faixa etária, grau de escolaridade, área de formação profissional, nível de certificação de mergulho e frequência de interação com o ambiente, e na sequência através de questões de múltipla escolha no padrão pré-determinadas seguindo o protocolo do New Ecological Paradigm (NEP), além de outras questões objetivas e abertas.

O questionário ficará aberto por um período de 20 dias e após este período os dados serão analisados e faremos uma postagem divulgando os resultados aqui no blog, desta forma não só os próprios mergulhadores recreativos poderão compreender como a sua percepção sobre o ambiente no qual realiza o mergulho interfere (seja de forma positiva ou negativa) na conservação dos oceanos, como a ciência e os divulgadores científicos poderão utilizar as informações para direcionar melhor os seus conteúdos, aumentando o engajamento e a parceria entre as ciências marinhas e os mergulhadores recreativos e com isso fazer um trabalho ainda melhor pela conservação dos oceanos.

Participar dessa pesquisa é simples e rápido,  basta acessar o formulário clicando aqui e responder as questões, você não irá gastar nem 15 minutos do seu dia. Ah, e para que a pesquisa surta um efeito ainda melhor, não deixe de divulgar esta postagem e o formulário, recomende aos seus amigos mergulhadores recreativos que também colaborem, que também respondam este questionário.

Para efeito desta pesquisa são considerados mergulhadores recreativos, toda aquele mergulhador que possua uma certificação de mergulho recreativo, em qualquer nível (open water diver, adventure diver, Advanced diver, ou qualquer outro) de qualquer certificadora reconhecida (SDI/TDI, PADI, NAUI, SSI, CMAS, PDIC, IANTD, GUE, ACUC, RAID, SNSI, NASE, IDA, IDDA, IDEA, NASDS, NACD, PDA, PSS, YMCA, entre muitas outras) e mergulhadores que praticam o mergulho livre em apneia, com ou sem habilitação.

REFERÊNCIAS

ANDERSON, M.W. 2012. New Ecological Paradigm (NEP) Scale. In.: Jenkins, W. (Eds.). The Berkshire Encyclopedia of Sustainability: Measurements, Indicators, and Research Methods for Sustainability. Berkshire Publishing Group, 260-262.

BARRADAS, J.I.; GHILARDI-LOPES, N.P. 2020. a case study using the New Ecological Paradigm scale to evaluate coastal and marine environmental perception in the Greater São Paulo (Brazil). Ocean and Coastal Management, 191(105177):9pp.

DUNLAP, R.E.; VAN LIERE, K.D. 2008. Reprint of The “New Environmental Paradigm”. Fall, 40(1):19-28

MOTA, J.S. 2019. Utilização do Google Forms na Pesquisa Acadêmica. Revista Humanidades e Inovação, 6(12):10pp.

NTANOS, S.; KYRIAKOPOULOS, G.; SKORDOULIS, M.; CHALIKIAS, M.; ARABATZIS, G. 2019. An Application of the New Environmental Paradigm (NEP) Scale in a Greek Context. Energies, 12(239):18pp.

PIENAAR, E.F.; LEW, D.K.; WALLMO, K. 2015. The importance of survey content: Testing for the context dependency of the New Ecological Paradigm Scale. Social Science Research, 51:338-349.

REIS-NETO, J.F.; SOUZA, C.C.; BITENCOURT, T.D.A.; CUPERTINO, C.M.; MELO NETO, P.L.; SOARES, D.G.; RODRIGUES, I.O. 2021. Validating the Scale of the New Ecological Paradigm (NEP) in Brazilian University Students. Research, Society and Development, 10(4:e16410413947):11p.

Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

About Rodrigo Maia-Nogueira

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância. Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições. Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI. Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.