Monitoramento dos Naufrágios do Vega e do Agenor Gordilho : 90 dias: Biota Aquática com foco na fauna de invertebrados (dados qualitativos)

Hoje, dia 21 de fevereiro de 2021 completam três meses desde que foram realizados os naufrágios planejados do ferry boat Agenor Gordilho e do rebocador offshore Vega as suas estruturas já se encontram completamente tomada por organismos incrustantes, os primeiros organismos a aparecer no naufrágio foram os hidrozoários em especial a colônias de Gymnagium longicauda e de Macrorhynchia philippina, além de algumas colônias de Sertularella sp. e logo em seguida algumas esponjas também começaram a aparecer em forma de discos e aos poucos foram se desenvolvendo, depois chegaram muitas ascídias-negras que podem ser vistas por praticamente todo o casco dos navios e também nas paredes externas e internas.

Colônia de hidrozoário (Macrorhynchia philippina) fotografada no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Colônia de hidrozoário (Gymnagium longicauda) fotografada no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Ascídias-negras solitárias (Phallusia nigra) estão também entre os organismos mais abundantes na composição atual da comunidade incrustante dos naufrágios podendo ser encontradas em quase todas as paredes verticais e até mesmo em algumas estruturas negativas dos navios, seja na área externa, no casco, ou nos corredores, escadas, salões e conveses internos.

Trecho do naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho que mostra diversas ascídias-negras (Phalusia nigra) que estão espalhadas por toda a área externa do casco do naufrágio e até mesmo dentro (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Aos poucos outros organismos incrustantes também vêm sendo observados colonizando as estruturas dos naufrágios e apresentando um certo “destaque”, dentre o briozoário-rendado-branco (Triphyllozoon cf. arcuatum), espécie exótica invasora que pode ser observado em ambos os naufrágios, tanto nas paredes internas quanto no assoalho. Espécie exótica originária do Indo-Pacífico cuja ocorrência no Brasil parece estar associada a substratos artificiais como plataformas de petróleo, piers e naufrágios, porém na baía de Todos os Santos, onde é considerada como amplamente distribuída, esta espécie também foi registrada em recifes naturais como bancos de esponjas e recifes de corais entre 0 e 35m de profundidade.

Colônia do briozoário-rendado-branco (Triphyllozoon cf. arcuatum) espécie invasora fotografada no naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Nos mergulhos realizados à noite foi possível observar cracas (Cirripedia) balançando suas patas modificadas para fora do exoesqueleto por praticamente toda estrutura externa dos navios. Poliquetas-espanador (Sabellidae) também já são observados em alguns pontos dos naufrágios, em especial no assoalho das partes mais altas, passadiço e sobre os castelos de comando.

Trecho do assoalho do salão de passageiros do ferry boat Agenor Gordilho repleto de colônia do briozoário-rendado-branco (Triphyllozoon cf. arcuatum) (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Dentre os invertebrados móveis o mais comum é o caranguejo-aranha (Stenorhynchus seticornis) que pode ser observado em toda a estrutura, mesmo no interior dos navios, nas áreas onde não há luz natural e nas áreas externas alguns camarões-palhaço (Stenopus hispidus) também têm sido observados, inclusive fêmeas ovadas e crinoides já estão presentes em diversos pontos em ambos os naufrágios. A aranha-do-mar (Pantopoda) que era facilmente observada nos primeiros 50 dias desde o afundamento já não é mais tão comum apesar de ocasionalmente um indivíduo ou outro ainda ser observado. Pequenos “camarões” e “caranguejos” não identificados ocasionalmente são observados entre os organismos incrustantes.

Caranguejo-aranha (Stenorhynchus seticornis) fotografado à noite no naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Outro crustáceo muito comum é o siri invasor, sirí-bidu (Charybdis hellerii), espécie já bem estabelecida na baía de Todos os Santos. O curioso é que a maioria dos registros deste animal nas estruturas dos naufrágios se refere a espécimes registrados mortos tanto no salão de passageiros, como nas varandas, passadiço e no assoalho dos conveses de automóveis.

Um dos exemplares de siri-bidu (Charybdis hellerii) que vem sendo encontrados mortos em ambos os naufrágios, especialmente no do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

Colônias do briozoário-rendado-branco (Triphyllozoon cf. arcuatum) fotografadas no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

O registro da presença do briozoário-rendado-branco (Triphyllozoon cf. arcuatum), espécie invasora que representa potencial impacto em ambos os naufrágios, apesar de ser considerada uma espécie amplamente distribuída na baía de Todos os Santos, deve ser tratado como um alerta para que medidas de controle e erradicação deste organismo sejam realizadas enquanto é possível, permitindo que espécies nativas colonizem os espaços atualmente ocupados por estes organismos.

Um pesquisador que visitou a passeio ambos os naufrágios em janeiro de 2021 e que atua na pesquisa de organismos bentônicos nos alertou da possibilidade da ascídia-negra solitária que a gente observa em abundância nos naufrágios se trata de uma espécie exótica invasora, a Phallusia philippinensis e não da nossa Phallusia nigra que aparenta ser bastante semelhante e por isso facilmente confundível. Verificamos na literatura especializada e não identificamos algumas características da espécie invasora nos organismos que observamos nos naufrágios sugerindo que não se trata da espécie exótica, porém, considerando a possibilidade decidimos que será prudente verificar com um taxonomista especialista neste grupo a correta identificação taxonômica desta ascídia a fim de evitar alarmes falsos, informação que estará disponível nos próximos informes de acompanhamento.

Costado de bombordo do naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho completamente colonizado (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Este mesmo pesquisador relatou ter observado exemplares tanto de P.nigra quanto de P.philippinensis no sítio dos naufrágios do Germânia e do Bretagne.

Uma vez confirmada a presença da ascídia-negra solitária invasora, assim como para o briozoário-rendado-branco um plano de combate à colonização da espécie nos novos naufrágios deverá ser implementado.

REFERÊNCIAS E FONTES CONSULTADAS

Almeida, A.C.S.; Souza, F.B.C.; Gordon, D.; Vieira, L. 2015. The non-indigenous bryozoan Triphyllozoon Canu & Bassler, 1917 in the Atlantic: Morphology and dispersion on the Brazilian coast. Zoologia, 32(6):476-484.

Almeida, A.C.S.; Souza, F.B.C.; Menegola, C.; Vieira, L.M. 2017. Diversity of marine bryozoans inhabiting demosponges in Northeastern Brazil. Zootaxa, 4290(2):281-323.

Almeida, A.C.S. 2018. Taxonomia dos briozoários marinhos do estado da Bahia. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, UFPE, 515pp.

Cook, K.; Cook, N. 2016. If you build it will they come? Can artificial reefs mimic natural reefs. Sea 2 Symposium ICRS Hawaii, poster.

Granneman, J.E.; Steele, M.A. 2015; Effects of reef attrinutes on fish assemblage similarity between artificial and natural reefs. ICES Journal of Marine Science. 10.1093/icesjms/fsv094:134pp.

Hixon, M.A.; Carr, M.H. 1997. Comparing artificial and natural reef communities. In.: Technical Working Papers from a Symposium on Artificial Reef Development. Atlantic States Marine Fisheries Commission. p.51-59.

Kingon, K.; koenig, C.; Stallings, C.; Wall, K. 2014. Preliminary report on artificial and natural reef communities in the NE Gulf of Mexico, similar or not? Procedings of th 66th Gulf and Caribbean Fisheries Institute, p.307-315.

Lee, S.S-C.; Teo, S.L-M.; Lambert, G. 2013. New records of solitary ascidians on artificial structures in Singapore waters. Marine Biodiversity Records, 6(e93):1-18.

Meyer, K.S.; Brooke, S.D.; Sweetman, A.K.; Wolf, M.; Young, C.M. 2017. Invertebrate communities on historical shipwrecks in the western Atlantic: relation to islands. Marine Ecology Progress Series, 566:17-29.

Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.