Monitoramento dos Naufrágios do Vega e do Agenor Gordilho : 90 dias: Biota Aquática com foco na Ictiofauna (dados qualitativos)

Hoje, dia 20 de fevereiro de 2021 completam 90 dias corridos e amanhã, no dia 21 o terceiro mês após a fundamento os naufrágios do ferry boat Agenor Gordilho e do rebocador offshore Vega as suas estruturas já se encontram completamente tomada por organismos incrustantes e numerosos cardumes de peixes.

Até o presente momento temos registradas 62 espécies, das quais 52 foram registradas no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho e 39 no naufrágio do rebocador offshore Vega.

Curva de acumulação de espécies e n´mero de registros de espécies de peixes no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho desde o afundamento
Curva de acumulação de espécies e n´mero de registros de espécies de peixes no naufrágio do rebocador Vega desde o afundamento

Ao todo foram registradas 23 famílias de peixes no Agenor Gordilho e 21 famílias no Vega, sendo a família Carangidae a que apresentou maior quantidade de espécies registradas (N=8) seguindo por Lutjanidae (N=5), enquanto para o Vega a família com maior número de espécies registradas foi Blenniidae (N=5) seguida por Haemulidae (N=4).

Maria-da-toca (Parablennius pilicornis) fotografado no naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Dentre as espécies, apesar da aparente redução do tamanho dos cardumes, o xixarro (Decapterus macarelus) ainda aparece como a espécie mais abundante em ambos os naufrágios, seguindo pela quatinga (Haemulon aurolineatum), pelas sardinhas (Clupeidae) e pelos ariacós (Lutjanus synagris).

Quatingas (Haemulon aurolineatum) fotografadas na areia, sob a proa do naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Com relação a Frequência de Ocorrência no ferry boat Agenor Gordilho três espécies de peixes foram registradas em todos os levantamentos, foram elas o sargentinho (Abudefduf saxatilis), a salema (Anisotremus virginicus) e o xixarro (Decapterus macarelus). Vale ressaltar que 20 das 52 espécies registradas para este naufrágio apresentam mais de 50% de F.O. Já no rebocador Vega nenhuma espécie foi registrada em todos os levantamentos, as espécies com maior F.O. foram sargentinho (Abudefduf saxatilis) e o macaquinho-invasor (Omobranchus punctatus) que foram também as únicas espécies registradas em mais de 50% dos mergulhos, porém a quatinga (Haemulon aurolineatum) (F.O.=48%) tem sido registrada em todos os levantamentos desde o seu primeiro registro.

Guaraiuba (Ocyurus chrysurus) fotografado no naufrágio ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Com relação à abundância das guildas tróficas já começamos a notar uma mudança de fase, apesar de ainda muito abundantes os cardumes de espécies planctívoras como os xixarros (Decapterus macarelus), cromis (Chromis multilineata), sardinhas (Harengula spp.), entre outros já são menos numerosos, mesmo com o registro recente de um cardume de carapau (Chloroscombrus chrysurus), mudança que é observada com o aumento do número de espécies piscívoras e carnívoras como o registro de cavalas (Scomberomorus cavala), sororocas (Scomberomorus regalis), xaréus (Caranx hippos), barracudas (Sphyraena barracuda) e bijupirás (Rachycentron canadum), além de solteiras (Caranx crysos) e do número de exemplares de ariacó (Lutjanus synagris) que se encontra abundante em todos os estratos dos naufrágios, inclusive com exemplares de grande porte, além dos menos abundantes porém ocasionalmente observados dentão (Lutjanus jocu), cioba (Lutjanus analis), caranha (Lutjanus cyanopterus), badejo (Mycteroperca bonaci), meros (Epinephelus itajara), micholés (Diplectrum spp.), jabus (Cephalopholis fulva), boquinhas (Paranthias furcifer), linguados (Pleuronectiformes) e guaraiubas (Ocyurus chrysurus).

Cardume de Xaréus (Caranx hippos) registrado no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Imagens: Bruno Lima de Menezes)

Outra guilda abundante é a dos invertívoros móveis como o jaguaraçá (Holocentrus adscensionis), o amboré-vidro (Coryphopterus glaucofraenum), a salema (Anisotremus virginicus), a quatinga (Haemulon aurolineatum), o biquara (Haemulon parra), o rufus (Bodianus rufus), a trilha (Pseudupeneus maculatus), o baiacu-graviola (Chilomycterus antillarum) e a cabrinha (Prionotus punctatus).

Cardume de sardinha-de-laje (Opisthonema oglinum) fotografado sobre o naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Os herbívoros são pouco abundantes, mas recentemente foram registrados os primeiros recrutas de budiões-batata (Sparisoma axillare) em ambos os naufrágios. Outras espécies de herbívoros errantes registradas nos naufrágios são os barbeiros e cirurgiões (Acanthurus spp.), e entre os herbívoros territorialistas o mais abundante é o macaquinho-invasor (Omobranchus punctatus), espécie exótica invasora, além do macaquinho (Ophioblennius trinitatis) e as donzelas (Stegastes spp.) que tem sido cada vez menos registradas.

Peixe-lagarto (Synodus sp.) fotografado na areia próximo à proa do naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Os invertívoros sésseis ainda não são frequentes e muito menos abundantes com apenas um registro de ciliares (Holacanthus ciliaris) e mais recentemente de alguns borboletas (Chaetodon striatus). Provavelmente com o estabelecimento e desenvolvimento das esponjas mais espécies desta guilda devem aparecer nos navios.

Exemplar de ariacó (Lutjanus synagris) nadando sobre o mar de hidrozoários no passadiço do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

A guilda dos onívoros até o presente momento está representada pelas marias-da-toca (Parablennius marmoreus e Parablennius pilicornis) e por alguns sargentinhos (Abudefduf saxatilis) que eram mais abundantes nos primeiros dias do naufrágio, inclusive apresentando comportamento de defesa de ninhos.

Micholé-costeiro (Diplectrum radiale) fotografado à noite na areia, no boreste do naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

O neon (Elacatinus figaro), espécie pertencente à guilda dos limpadores foi registrado uma única vez em cada naufrágio.

Cirurgiões (Acanthurus chirurgus) fotografados no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Exemplar de barriga-branca (Serranus flaviventris) fotografado à noite no naufrágio do rebocador Vega (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

OUTRAS OBSERVAÇÕES

A pesca já começou a ser registrada na área dos naufrágios através do registro de catraias paradas sobre o ferry boat Agenor Gordilho pescando com linha de mão. Com a aproximação das embarcações das escolas e operadoras de mergulho, os pescadores destas catraias recolhem a âncora ou poita, recolhem a linha de pesca e seguem para outro pesqueiro. Comportamento semelhante era observado no naufrágio do cargueiro Cavo Artemide e no naufrágio do pesqueiro chinês Ho-Mei No.III.

Em um dos mergulhos realizados no ferry boat Agenor Gordilho foram encontradas duas caudas de sororoca (Scomberomorus cf. regalis) no passadiço da embarcação.

Ainda não houve registro de pesca no rebocador Vega, porém esta embarcação vem sendo frequentada por mergulhadores em apneia, mergulhadores que sabemos praticam pesca submarina. Geralmente estes mergulhadores aproveitam as paradas da maré de enchente ou de vazante quando também tem barcos de operadora de mergulho nos locais e até o momento estes mergulhadores não foram observados portando armas de mergulho.

Cardume de xixarros (Decapterus macarelus) fotografado no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

REFERÊNCIAS E FONTES CONSULTADAS

Arena, P.T., Jordan, L.K.B., Spieler, R.E., 2007. Fish assemblages on sunken vessels and natural reefs in southeast Florida, USA. Hydrobiologia 580, 157e171.

Bellwood, D.R.; Wainwright, P.C. 2001. Locomotion in labrid fishes: implications for habitat use and cross-shelf biogeography on the Great Barrier Reef. Coral Reefs, 20:139-150.

Bohnsack, J.A.; Bannerot, S.P. 1989. A stationary visual census technique for quantitatively assessing community structure of coral reef fishes. NOAA Technical Report NMFS 41. U.S. Department of Commerce. 15 pp.

Bohnsack, J.A., 1989. Are high densities of fishes at artificial reefs the result of habitat limitation or behavioral preference? Bulletin of Marine Science 44, 631-645.

Bohnsack, J.A.; Ecklund, A.M.; Szmant, A.M. 1997. Artificial reef research: is there more than the attraction-production issue? Fisheries 22, 14-16

Bohnsack, J.A.; Harper, D.E.; McClellan, D.B.; Hulsbeck, M. 1994. Effects of reef size on colonization and assemblage structure of fishes at artificial reefs off southeastern Florida, USA. Bulletin of Marine Science 55, 796-823.

Carr, M.H.; Hixon, M.A. 1997. Artificial Reefs: The importance of comparisons with natural reefs. Fisheries, 22(4)Special issue on Artificial Reef management:28-33.

Cook, K.; Cook, N. 2016. If you build it will they come? Can artificial reefs mimic natural reefs. Sea 2 Symposium ICRS Hawaii, poster.

Ferreira, C.E.L.; Floeter, S.R.; Gasparini, J.L.; Ferreira, B.P.; Joyeux, J.C. 2014. Trophic structure patterns of Brazilian reef fishes: a latitudinal comparison. Journal of Biogeografphy, 31:1093-1106.

Fowler, A.M.; Booth, D.J. 2012. How well do sunken vessels approximate fish assemblages on coral reefs? Conservation implications of vessel-reef deployments. Marine Biology, 159:2787-2796.

Granneman, J.E.; Steele, M.A. 2015; Effects of reef attrinutes on fish assemblage similarity between artificial and natural reefs. ICES Journal of Marine Science. 10.1093/icesjms/fsv094:134pp.

Hackradt, C.W.; Félix-Hackradt, F.C.; García-Charton, J.A. 2011. Influence of habitat structure on fish assemblage of an artificial reef in southern Brazil. Marine Environmental Research, 72:235-247.

Hixon, M.A.; Carr, M.H. 1997. Comparing artificial and natural reef communities. In.: Technical Working Papers from a Symposium on Artificial Reef Development. Atlantic States Marine Fisheries Commission. p.51-59.

Hylkema, A.; Debrot, A.O.; Osinga, R.; Bron, P.S.; Heesink, D.B.; Izioka, A.K.; Reid, C.B.; Rippen, J.C.; Treibitz, T.; Yuval, M.; Murk, A.J. 2020. Fish assemblages of three common artificial reef designs during early colonization. Ecological Engineering, 157:105994, 10pp.

Kingon, K.; koenig, C.; Stallings, C.; Wall, K. 2014. Preliminary report on artificial and natural reef communities in the NE Gulf of Mexico, similar or not? Procedings of th 66th Gulf and Caribbean Fisheries Institute, p.307-315.

Marks, K.W.; Lang, J.G. 2018. AGRRA Summary Products, version (2018-03). [Disponível em = http://www.agrra.org/data-explorer/explore-summary-products/] acessado em o8 de dezembro de 2020.

Minte-Vera, C.V.; Moura, R.L.; Francini-Filho, R.B. 2008. Nested sampling: na improved visual-census technique for studying reef Fish assemblages. Marine Ecology Progress Series, 367:283-293.

Recrutas de carangideos na boia do cabo de amarração instalado no naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Naufrágio do ferry boat Agenor Gordilho visto da sonda do Bucanero (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

 

Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Doroth Alves Cordeiro
Divemaster at Shark Dive / EcoBioGeo | + Artigos

Doroth é mergulhadora científica com habilitação em mergulho sidemount, intro to tech, nitrox e procedimentos descompressivos, além de formada em ciências biológicas pela Universidade Católica do Salvador (UCsal), foi pesquisadora do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática). Atualmente compõe a equipe de mergulhadores científicos da EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico e faz parte do staff da Shark Dive Escola e Operadora de Mergulho

Bruno Lima de Menezes
Instrutor de Mergulho at Shark Dive / EcoBioGeo | + Artigos

Bruno é mergulhador científica com habilitação em mergulho sidemount, intro to tech, nitrox e procedimentos descompressivos, além de instrutor de mergulho.
É também formado em ciências biológicas pela Universidade Católica do Salvador (UCsal) e foi pesquisadora do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática). Atualmente compõe a equipe de mergulhadores científicos da EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico e é um dos proprietários da Shark Dive Escola e Operadora de Mergulho.

About Rodrigo Maia-Nogueira, Doroth Alves Cordeiro and Bruno Lima de Menezes

EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico. Popularizando as ciências marinhas com informações de qualidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.