Os Tubarões na CMS COP13

Três espécies de tubarão foram incluídas nos apêndices Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS) durante a 13ª Conferência das Partes da Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS COP13)

Aconteceu entre os dias 15 e 22 de fevereiro de 2020 em Gandhinagar na Índia a 13ª Conferência das Partes da Convenção sobre Espécies Migratórias de Animais Silvestres (CMS COP13) com o objetivo de adotar ações para ajudar a reverter o declínio mundial das espécies migratórias dando início ao “super ano” da natureza que ainda contará com a Conferência de Biodiversidade da ONU em setembro.

Compareceram à conferência 2.550 representantes de 263 delegações para discutir a inclusão de algumas espécies ameaçadas nos apêndices da CMS.

Dentre as espécies marinhas que foram alvo das discussões durante a CMS COP13 o Tubarão-galha-branca-oceânico (Carcharhinus longimanus), espécie classificada como Criticamente Ameaçada pela IUCN, foi durante esta conferência incluído no Apêndice I que inclui as espécies migratórias que foram avaliadas como em risco de extinção em toda ou parte significativa de sua área de distribuição cuja captura deve ser proibida, exceto em circunstâncias excepcionais desde que tenha a finalidade relacionada à pesquisa científica.

Já no Apêndice II que inclui as espécies migratórias que possuem status de conservação desfavorável e que necessitam de acordos internacionais para a sua conservação e manejo a fim de evitar usos que possam aumentar o grau de ameaça destas espécies. Dentre as espécies marinhas o Tubarão-martelo-cambeva (Sphyrna zygaena), espécie classificada como Vulnerável pela IUCN, foi incluído neste apêndice e o Cação-bico-de-cristal (Galeorhinus galeus), espécie também classificada como Vulnerável pela IUCN, também foi incluído.

O Brasil esteve presente na convenção e teve papel fundamental na defesa dessas espécies.

Confira aqui a lista completa de tubarões protegidos nos Apêndices da CMS.

Confira aqui o PDF em inglês do report “The Conservation Status of Migratory Sharks” da CMS.

About Rodrigo Maia-Nogueira

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância. Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições. Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI. Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.