A Enxada

A Biota Aquática da baía de Todos os Santos e costa Atlântica de Salvador, Bahia

Enxada (Chaetodipterus faber)

  • Classe: Actinopterygii
  • Ordem: Perciformes
  • Família: Ephippidae
Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado na baía de Todos os Santos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DESCRIÇÃO

O corpo da Enxada que pode mediar até 91cm de comprimento é arredondado em forma de disco, alto e comprimido lateralmente com uma boca pequena e o opérculo terminando em uma ponta abrupta.

Enxada (Chaetodipterus faber) adulto fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Nos Enxadas adultos o corpo é cinza-prateado com três a sete barras verticais irregulares ligeiramente mais escuras que a coloração geral do corpo e que tendem a perder intensidade com o avanço da idade, e as margens das nadadeiras dorsal e anal ligeiramente escurecida. A segunda nadadeira dorsal e a anal apresentam os lobos anteriores mais desenvolvidos. Os jovens são totalmente escuros, geralmente marrons, com algumas manchas pálidas pelo corpo, caudal transparente.

Enxada (Chaetodipterus faber) jovem fotografado no Porto da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Indivíduos maiores do que 5cm de comprimento possuem a primeira nadadeira dorsal bem desenvolvida.

Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografados no emissário do Jaguaribe (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

BIOLOGIA

A Enxada é uma espécie costeira de hábitos diurnos que vive associada a ambientes recifais e formações rochosas, mas também pode ocorrer em estuários e em praias de fundo arenoso onde se aglomeram em cardumes de até 500 indivíduos que se deslocam unidos à meia água, entre 5m e 45m de profundidade.

Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

As Enxadas filhote são encontrados solitários, em águas rasas, podendo inclusive adentrar em estuários e conseguem nadar de lado, paralelamente à superfície da água, quando ficam semelhantes a uma folha de mangue ou a um peixe morto ao sabor das ondas.

Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

A dieta das Enxada é composta basicamente de invertebrados bentônicos como crustáceos, moluscos, polichaetas, cnidários e plâncton.

As bolhas dos mergulhadores costumam atrair a curiosidade das Enxadas que se aproxima e circundam os mergulhadores.

Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DISTRIBUIÇÃO

A Enxada é uma espécie endêmica do Atlântico Ocidental, de Nova Jersey nos Estados Unidos ao  Rio Grande do Sul no Sul do Brasil.

Nos pontos de mergulho de Salvador e da baía de Todos os Santos as Enxadas não são comumente vistas com grande frequência, exceto pelo naufrágio do Galeão Sacramento. No naufrágio do Ho-Meu No.III em raras ocasiões alguns exemplares podem ser vistos, assim como nas pedras de Patamares e nas estruturas do emissário do Jaguaribe e no emissário do Rio Vermelho.

Cardumes de Enxadas eram comuns no naufrágio do Cavo Arthemide.

Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

STATUS E CONSERVAÇÃO

A Enxada não se encontra classificada sob nenhuma categoria de ameaça.

Filhotes e indivíduos jovens de Enxadas são frequentemente capturados acidentalmente como fauna acompanhante de arrastos para camarão. Quando adultos são alvos da pesca comercial.

Apesar de não ser um alvo frequente, os filhotes de Enxada com até 5cm de comprimento total são ocasionalmente comercializados no mercado de ornamentais.

Cardume de Enxadas (Chaetodipterus faber) fotografado nos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.