O Budião-Fantasma

A Biota Aquática da baía de Todos os Santos e costa Atlântica de Salvador, Bahia

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis)

  • Classe: Actinopterygii
  • Ordem: Perciformes
  • Família: Labridae
Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DESCRIÇÃO

O Budião-fantasma que pode atingir até pouco mais de 30cm de comprimento possui o corpo alongado e moderadamente comprimido. A boca do Budião-fantasma é pequena e situada na extremidade da cabeça.

Budiões-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrados no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Nos adultos a nadadeira caudal possui um aspecto lunado e nos machos terminais se desenvolvem apêndices que se ramificam das extremidades de cada lobo caudal.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos, notar ramificações nas extremidades de cada lobo da cauda lunada (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

A coloração do Budião-fantasma varia do azul claro, quase branco ao púrpura, sendo que alguns indivíduos adultos, especialmente os machos terminais chegam a apresentar uma coloração avermelhada forte.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto de coloração avermelhada registrado no recife dos Cascos, repare também as manchas amarelas na lateral do corpo do peixe (Foto: Roberto Costa Pinto)

Os jovens Budiões-fantasma apresentam na lateral do corpo algumas barras verticais ligeiramente mais escuras. Nos indivíduos adultos estas barras dão lugar a manchas irregulares amareladas e roxas ocupando boa parte do corpo.

Pequeno cardume de Budiões-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrado no recife dos Cascos, notar as faixas verticais características de indivíduos jovens mais escuras na lateral dos peixes menores (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

BIOLOGIA

O Budião-fantasma, que tem hábitos diurnos, prefere os recifes profundos onde pode ser observado nadando constantemente sobre o topo destes recifes ou sobre as suas bordas, entre os 5m e os 25m de profundidade se alimentando do plâncton. Podem ser observados tanto nadando solitários quanto em pequenos grupos ou mesmo em grandes cardumes.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Roberto Costa Pinto)

Quando jovens os Budiões-fantasma podem também atuar como espécie limpadora.

Cardume de Budiões-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DISTRIBUIÇÃO

Espécie endêmica do litoral Brasileiro com registros nos recifes do Parcel Manuel Luis do Maranhão a Santa Catarina, incluindo ilhas oceânicas.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Roberto Costa Pinto)

Espécie recentemente descrita em um artigo publicado por J.B. Heiser, R.L. Moura e D.R. Robertson na revista aqua no ano de 2000 diferenciando as espécies de Budião-fantasma do Atlântico leste e do oeste que descobriram ser na verdade duas espécies distintas, o Clepticus brasiliensis com distribuição na costa Brasileira, no Atlântico Sul Ocidental e o Clepticus africanus com distribuição na costa da República de São Tomé e Príncipe, no Atlântico Oriental.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Em Salvador e na baía de Todos os Santos enquanto o Cavo Arthemide ainda não havia sido soterrado pelas areias do Banco de Santo Antônio era um peixe bem popular já que era bem comum sobre o naufrágio. Atualmente avistagens raras e ocasionais podem ser realizadas no naufrágio do Ho-Mei No.III, em pontos de mergulho não explorados na costa Atlântica da cidade, como os emissários submarinos de Jaguaribe e do Rio Vermelho e no recife dos Cascos na saída da baía de Todos os Santos, a cerca de 12 mn do Porto de Salvador onde a espécie é bastante abundante.

Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Roberto Costa Pinto)

STATUS E CONSERVAÇÃO

O Budião-fantasma é considerada uma espécie de baixo risco pela IUCN já que não é alvo de pesca, seja para o consumo ou para o mercado de ornamentais, apesar de existir alguma demanda por jovens desta espécie pelos aquarista e a sua captura ser permitida pela Instrução Normativa do IBAMA nº 56 de 2004.

Cardume de Budiões-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Roberto Costa Pinto)
Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Budião-fantasma (Clepticus brasiliensis) adulto registrado no recife dos Cascos (Foto: Roberto Costa Pinto)
Cardume de Budiões-fantasma (Clepticus brasiliensis) registrado no recife dos Cascos (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)
Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.