A Mutuca

A Biota Aquática da baía de Todos os Santos e costa Atlântica de Salvador, Bahia

Mutuca (Myrichthys ocellatus)

  • Classe: Actinopterygii
  • Ordem: Angiuiliformes
  • Família: Ophichthidae
Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada no Porto da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DESCRIÇÃO

A Mutuca possui o corpo serpentiforme e normalmente é confundida pelos banhistas e mergulhadores em geral com as moreias ou mesmo com serpentes marinhas apesar destas não ocorrerem em nossas águas.

A nadadeira dorsal da mutuca é estreita porém é presente ao longo de todo o corpo do peixe até o extremo da cauda que é pontiaguda. Apresenta uma nadadeira peitoral minúscula, transparente, praticamente imperceptível dando a impressão que a Mutuca não possui esta nadadeira.

Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada no Porto da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Apresenta focinho curto com narinas tubulares voltadas para baixo.

O corpo cilíndrico da mutuca é bege pálido, sendo o dorso mais escuro que o ventre. Apresenta ocelos escuros com o centro amarelo brilhante por todo o dorso, incluindo a cabeça.

A Mutuca pode atingir de 30 cm a até 110 cm.

Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada no Porto da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

BIOLOGIA

A Mutuca é uma espécie fossorial, passa o dia fuçando o substrato em busca de pequenos crustáceos enterrados ou entocados, itens preferenciais da sua dieta por onde ocorre, em águas rasas, seja em bancos de algas marinhas, em fundo areno-lodoso ou em ambiente recifal.

Enquanto fuça o substrato em busca de alimentos a Mutuca pode ser seguida por outros peixes oportunistas no intuito de predar os organismos afugentados pela Mutuca. Dentre os peixes seguidores, em Salvador já o barriga-branca (Serranus flaviventris), diversas espécies de budiõezinhos (Halichoeres spp), baiacus (Sphoeroides spp.) entre outros já foram registrados seguindo a Mutuca enquanto esta forrageava. Apesar de ser uma espécie de habito diurno ocasionalmente também pode ser observada fuçando o substrato à noite.

A Mutuca tolera bem a aproximação do mergulhador que consegue ficar a poucos centímetros dela que foge apenas se o mergulhador tentar tocá-la (lembrando que não é legal tocar os animais, estas interações costumam provocar stress e alterar mesmo que momentaneamente o comportamento natural deles, isso sem falar nos riscos de acidente. Mesmo a Mutuca sendo uma espécie dócil e inofensiva ao mergulhador quando apenas observada, caso se sinta ameaçada ela pode machucar).

Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada no Parque Marinho da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

DISTRIBUIÇÃO

A Mutuca ocorre ao longo do Atlântico ocidental das Bermudas à Santa Catarina (Brasil). Também ocorre em algumas regiões tropicais e equatoriais do Atlântico oriental.

Em Salvador e na baía de Todos os Santos a Mutuca pode ser observada em todos os pontos de mergulho costeiros rasos. É inclusive difícil fazer mergulhos no Parque Marinho da Barra, Farol da Barra ou no recife da Boa Viagem e não nenhum exemplar.

Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada no Parque Marinho da Barra (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

STATUS DE CONSERVAÇÃO

A mutuca não se encontra em nenhuma lista de espécies ameaçadas.

Uma Mutuca (Myrichthys ocellatus) fotografada na Laguna da Conceição, Recife das Pinaunas, Ilha de Itaparica (Foto: Rodrigo Maia-Nogueira)

Please follow and like us:

Autor(es)

+ Artigos

Mergulhador e apaixonado pelos oceanos desde a infância.
Desde a década de 1990 está envolvido em ações e pesquisas relacionadas com a biota aquática, tendo sido coordenador de resgate do Centro de Resgate de Mamíferos Aquáticos (CRMA) do Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e fundador do Centro de Pesquisa e Conservação dos Ecossistemas Aquáticos (Biota Aquática) e do EcoBioGeo Meio Ambiente & Mergulho Científico, e ao longo dos anos participou de projetos de pesquisa e de consultoria na ambiental em parceria com diversas instituições.
Também atua como instrutor de mergulho SDI e PADI.
Tem como objetivo, além de produzir informação de qualidade fomentar o reconhecimento e a qualificação dos mergulhadores científicos.

5 thoughts on “A Mutuca

  1. Tenho uma Mutuca à mais de 1 ano porém tem 15 dias q está como se estivesse hibernando,estou preocupada ñ se alimenta e nem está nadando,gostaria de saber se elas hibernam.

    1. São animais muito grande e que fuçam muito, reviram o substrato e acabam bagunçando todo aquário, elas também conseguem levantar a tampa do aquário e sair, não são indicados para aquários.
      Recomendo que busque um veterinário para avaliar seu animal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.